Cirurgias-arteriais

A cirurgia de artérias é mais comum para pessoas com idade superior a 50 anos, tabagistas, obesas, hipertensas, diabéticas e com alto colesterol. Isso ocorre devido ao fato de esses perfis apresentarem, na maioria dos casos, maior taxa de artéria carótida obstruída. Quando alguém apresenta essa obstrução, pode tratar clinicamente ou recorrer à cirurgia, pois só é obrigatoriamente necessária quando a veia já se encontra 70%+ obstruída. Portanto se trata de um procedimento muito delicado.

Como a cirurgia é feita?

Na cirurgia convencional, o paciente recebe anestesia com sedação. O cirurgião vascular faz um pequeno corte, normalmente no pescoço, e retira toda a placa de dentro da artéria prejudicada. Assim que é retirada a placa, o sangue volta a fluir normalmente e o risco de AVC diminui consideravelmente.

Quanto tempo demora para fazer a cirurgia?

A cirurgia costuma levar de uma a duas horas na sala operatória, e os seus resultados são excelentes quando bem executada pelo profissional ideal, não necessitando de sessões. Por ser uma cirurgia delicada, é necessária uma recuperação mais prolongada no setor de UTI do hospital.

Em quais casos é indicada?

É indicada em todos os casos em que há a obstrução carotídea, sendo obrigatória quando ultrapassa a oclusão de mais de 70% da luz do vaso.

Entre as cirurgias arteriais, destacamos:

Endarterectomia de carótidas
Técnica com a qual se realiza a remoção de depósitos de gorduras das carótidas, artérias responsáveis pela irrigação do cérebro. Esses depósitos, conhecidos como placas ateromatosas, quando avançados, podem lançar pequenos fragmentos ou mesmo levar à oclusão das carótidas e, em ambas as situações, provocar AVC ou derrame cerebral.

Correção de aneurisma de aorta
Os aneurismas são dilatações arteriais, originadas por áreas de fraqueza na estrutura da parede do vaso. Representam fatores de risco para o desenvolvimento da doença: idade avançada, hipertensão arterial, dislipidemia (colesterol alto) e tabagismo. Os aneurismas, à medida que crescem, podem representar risco de ruptura e complicações graves aos pacientes. Portanto, a depender de suas dimensões, devem ser tratados por cirurgia convencional, em que se realiza a substituição do segmento dilatado por uma prótese sistêmica ou por técnica endovascular.

Revascularização dos membros inferiores
O tratamento cirúrgico é indicado no tratamento de aneurismas e nos quadros de obstrução arterial aguda ou crônica, sendo que, nesse último caso, somente terá indicação de tratamento cirúrgico se ocorrerem sinais e sintomas que causem sérios danos ao membro afetado ou à integridade física do paciente.

Alerta do Especialista

A cirurgia é extremamente delicada, e seu pós-operatório também. Quando não realizada pelo profissional correto, traz lesões gravíssimas, tais como lesões de nervos cervicais, sangramentos, formação de hematomas de tamanhos variados e muitas outras complicações.

Benefícios do tratamento

Os benefícios variam de acordo com cada necessidade do tratamento. Aqui, concordamos que o maior deles é que o resultado almejado pelo paciente seja alcançado. Porém destacamos alguns outros benefícios:

  • Baixa taxa de complicações
  • Resultados rápidos e satisfatórios