Saúde Vascular

É a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das doenças do aparelho circulatório.

Clique sobre as perguntas

As varizes são caracterizadas por tortuosidade, alongamento e aumento do diâmetro das veias, sendo mais prevalentes nos membros inferiores. Trata-se de um problema comum que pode afetar até 50% da população adulta. Esta condição possui tendência hereditária, ou seja, se os pais ou avós apresentam varizes há uma possibilidade maior que os filhos e netos também desenvolvam a doença. Além da tendência hereditária outros fatores podem desencadear o surgimento ou o agravamento da doença varicosa, como ficar sentado ou em pé durante longo período, o uso de contraceptivos orais, gestação e obesidade.

A questão hereditária favorece o surgimento de varizes em homens e mulheres igualmente, porém, há uma proporção maior de mulheres acometidas devido às alterações nas pressões venosas causadas pelos hormônios femininos (estrogênio e progesterona), no entanto, ficar em pé ou sentado por períodos prolongados, sedentarismo, tabagismo e obesidade também agravam as varizes existentes e predispõe o surgimento de novas varizes.

O sangue é bombeado pelo coração para todo o corpo e, por meio da circulação sanguínea, leva elementos essenciais até as células, além de recolher os resíduos a serem eliminados pelo organismo. Bombeado pelo coração e passando pelos pulmões, o sangue é oxigenado e transportado através das artérias – vasos de paredes espessas e elásticas.

No caminho de volta, o sangue rico em gás carbônico retorna em direção ao coração por uma grande rede de veias. Durante esse trajeto o sangue já não tem a mesma pressão do sangue arterial e, como ficamos uma grande parte do tempo em pé ou sentado, o sangue deve lutar contra a gravidade para chegar ao seu destino final. Para facilitar o retorno venoso, o organismo dispõe de alguns mecanismos:

– Válvulas venosas: são estruturas internas das veias destinadas a facilitar a volta do sangue para o coração. Quando as válvulas estão funcionando normalmente, elas se abrem para a passagem do sangue venoso em direção ao coração, e se fecham para impedir que o sangue retorne no sentido oposto. Vários fatores podem comprometer as veias, fazendo com que as válvulas se tornem pouco eficientes. O sangue, então, flui para o lado “errado” e, em parte, fica estagnado nas veias provocando o aumento da pressão interna, dilatação anormal das veias e a formação de varizes.

– Bomba muscular da panturrilha: a contração dos músculos da panturrilha também auxilia o retorno venoso. Ao se contrair, a panturrilha exerce pressão sobre as veias do sistema venoso profundo, que ficam embaixo dos músculos, promovendo o bombeamento do sangue para cima. A maior parte do sangue venoso, entre 85% e 95%, retorna pelo sistema venoso profundo, por isso, muitos médicos se referem à panturrilha como o “coração da perna”.

As varizes são classificadas em dois grupos:

Varizes primárias: são as mais frequentes e que surgem influenciadas pela tendência hereditária. São as responsáveis pelas antiestéticas linhas azuis e vermelhas, de diversos tamanhos, que aparecem principalmente nas pernas.

Varizes secundárias: são as chamadas, erroneamente, “varizes internas” Aquelas que são decorrentes de doenças que surgem ao longo da vida e têm o tratamento mais difícil. “Varizes internas” não existem, o que existem são sérios problemas de doenças que acometem as veias internas, que caracterizam as varizes secundárias.

De uma maneira mais simples, as varizes podem ser subdivididas em leves e graves. As leves são as que, embora sejam uma doença, não causam problemas imediatos de saúde mas sim incomodo estético. As graves são as que causam sérios problemas como sangramentos, úlceras (feridas), eczema, infecções, vermelhidão, manchas, dores, espessamento da pele, flebite, formação de trombos e até embolia pulmonar. As varizes secundárias são uma condição mais grave que pode colocar em risco a vida do paciente.

Os sintomas são múltiplos e de intensidade variáveis. Podem aparecer na própria veia, vermelhidão, dor e dilatação ou distalmente ao local das varizes, devido a insuficiência venosa.

Em alguns casos, principalmente em pacientes jovens que fazem uso de anticoncepcional oral, pode ocorrer dor na virilha, antecedendo o aparecimento de edema. Câimbras noturnas, sensação de peso ou cansaço, ardência, prurido e formigamento são outras queixas frequentes dos pacientes.

Praticar atividade física regularmente com orientação adequada do profissional da área.
Evitar o ganho excessivo de peso e consequentemente o sobrepeso e a obesidade.
Fortalecimento da musculatura principalmente da panturrilha através de musculação e outras modalidades que proporcionem enrijecimento e fortalecimento muscular.

Evitar permanecer na mesma posição de pé ou sentado, por um tempo prolongado.
Consultar o cirurgião vascular/ angiologista regularmente para que o mesmo possa identificar as diferentes causas das varizes e estabelecer o tratamento adequado.

Podemos chamar simplificadamente, os tratamentos de preventivos e curativos. O tratamento preventivo é o que diminui o aparecimento de novas varizes e o curativo é o que elimina as varizes existentes.

O Programa de Tratamento Continuado de Varizes inclui a escleroterapia, a crioescleroterapia, o LASER e a luz pulsada, a microcirurgia com anestesia local, a microcirurgia com anestesia peridural, a cirurgia de varizes convencional e a cirurgia de varizes com LASER endovascular, que serão utilizados para cada tipo de problema e de acordo com as aspirações do paciente. São os recursos mais modernos disponíveis para o tratamento de todos os tipos de varizes dos membros inferiores.

A Clínica Fluxus conta com especialistas que dominam todas as técnicas de tratamento de varizes e estão aptos a indicar as melhores opções para os seus pacientes.

Para obter benefícios, as meias elásticas devem estar bem adaptadas às pernas do paciente. Se elas estão apertadas e incomodam é sinal de que o tamanho ou modelo escolhido não estão adequados. As meias elásticas devem exercer uma pressão maior no tornozelo e diminuir gradativamente essa pressão a medida que sobem. As meias devem estar bem esticadas, pois o excesso de tecido pode causar preensão de algumas áreas quando a pessoa senta, como por exemplo, a parte posterior dos joelhos e isso gera compressão das veias do sistema venoso superficial, neste caso, em vez de trazer benefícios, as meias podem agravar o quadro varicoso. Pernas bem descansadas e ausência de dor ao final do dia indica que as meias estão cumprindo bem sua função. Se em vez de bem-estar houver sinais de desconforto e dores é melhor não utilizá-las.

Sim, há casos em que a falta de tratamento ou socorro adequado pode expor os pacientes a risco de morte.

Sangramento: É uma das emergências medicas mais graves com relação às varizes. Quando as veias das pernas se dilatam exageradamente, a pele que recobre a região também sofre. Vai aos poucos ficando mais fina e frágil até romper e provocar sangramento. O risco desse tipo de sangramento é o choque hipovolêmico – diminuição significativa do volume de sangue circulante, que leva à queda da pressão e compromete o funcionamento dos órgãos vitais.

Úlceras: as ulceras são outra consequência importante das varizes. Devido ao mau funcionamento das válvulas, parte do sangue venoso volta em direção contraria ao coração e congestiona em determinada área da perna. Isso torna difícil a chegada de sangue arterial, carregado de oxigênio e nutrientes, até as veias e capilares sanguíneos daquela região e os tecidos começam a sofrer. O tecido local sofre necrose e surgem as ulceras que, quando não tratadas, tendem a aumentar já que o efeito da necrose afeta os tecidos em volta. O repouso é fundamental para a cicatrização dessas feridas e o ideal é deitar-se com as pernas elevadas para facilitar o retorno venoso. Esse tipo de feridas costuma estar associada a outras causas, como diabetes e hipertensão.

Trombose venosa superficial: é o entupimento das veias em consequência da formação de um coágulo. Entre suas causas estão as lesões do endotélio vascular (camada de células que revestem as veias internamente). O endotélio tem a propriedade de fazer com que o sangue não coagule. Uma vez lesionado pela presença de varizes, o endotélio não cumpre adequadamente esta função. A estase venosa e a alteração do retorno venoso também estão fortemente associadas à presença de varizes e ocorrência de trombose venosa.

As variações hormonais da gravidez alteram as veias, pois afetam o endotélio, as camadas de células que revestem as veias internamente. Esse fator, aliado a uma tendência hereditária ao problema, costuma desencadear o aparecimento de varizes ou agravar as já existentes. Para minimizar o impacto da gestação sobre as pernas, o melhor é fazer exercícios regulares e controlar a alimentação para evitar um ganho de peso além do limite recomendado pelo obstetra. Nos últimos meses de gestação, quando as pernas costumam inchar, é recomendável repousar com as pernas elevadas.

Durante a gestação ocorrem alterações no organismo da mulher como o aumento do volume uterino, devido o desenvolvimento do bebê, aumento de hormônios procoagulantes (hormônios que favorecem a formação de trombos), aumento de peso e aumento de volume sanguíneo circulante. A presença de todos esses fatores contribui para que ocorra dilatação das veias superficiais ,tornando-as mais evidentes e as vezes insuficientes. Favorecendo o surgimento de novas varizes.
No período da gestação, no puerpério ou durante a amamentação não é recomendado realizar tratamento cirúrgico de varizes pois a maioria dos vasos, mesmo aparente, podem desaparecer após o termino do puerpério..
Algumas medidas como a prática de exercícios físicos regularmente, o ganho não excessivo de peso durante a gestação e o uso de meias elásticas adequadas auxiliam na prevenção de varizes e consequentemente diminuem o risco de trombose venosa profunda.
Converse com o cirurgião vascular/ angiologista, faça uma avaliação adequada e evite complicações vasculares durante a gestação.

Não. A retirada das veias insuficientes é benéfica para a circulação. Quando as válvulas das veias não funcionam bem, o sangue venoso, que deveria retornar ao coração, volta em direção aos pés, ficando então, estagnado nas regiões afetadas. Quando as veias dilatadas são retiradas por meio de cirurgia ou esclerosadas, o sangue passa a utilizar veias sadias para seguir seu caminho para o coração, melhorando então a circulação local.

Se você vai fazer uma viagem longa, com mais de 3 horas de duração, deve seguir algumas dicas importantes. Viagens longas podem causar inchaço, dores nas pernas e facilita a ocorrência de trombose.

– Se for viajar durante o dia, faça um bom repouso na noite anterior à viagem;
– Se sua viagem é à noite, faça um bom repouso após o almoço, por pelo menos três horas e com as pernas elevadas acima da cabeça;
– Se você estiver bem adaptada ao uso de meias de compressão elástica, calce suas meias com as pernas descansadas antes da viagem;
– Durante a viagem faça ingestão de bastante líquido e evite as bebidas alcoólicas. Faça exercícios simples: a cada hora, flexione os tornozelos e faça movimentos circulares com os pés durante 5 minutos, isso facilitará o retorno venoso. Se for possível, realize pequenas caminhadas.

Ao final da viagem, repouse por três horas com as pernas elevadas acima da cabeça.

ATENÇÃO: as pernas devem estar apoiadas em toda sua extensão, na cama. Sentar e apoiar os pés em uma cadeira ou banco, sem apoiar a perna totalmente, causa sobrecarga na coluna lombar podendo causar prejuízos à coluna e não promove descanso.